segunda-feira, 7 de março de 2016

BÓRGIA

BÓRGIA- LIVRO I : SANGUE PARA O PAPA

A série Bórgia é uma espécie de biografia não autorizada da família que é tida como precursora dosCorleone e que expôs os "pecados" da Igreja Católica em Roma no final século XV. Uma época que oVaticano certamente gostaria de apagar dos livros de história. Uma fascinante dinastia entre o sagrado e o profano, sangue e volúpia, cinismo político, conjuras, traições, luxúria e libertinagem ilimitada. Todos os atos praticados por Rodrigo Bórgia e sua família, para se tornar o papa Alexandre VI, estão na obra contada por um dos mais cerebrais roteiristas da 9ª Arte da Europa, Alejandro Jodorowsky. A arte é do mestre das HQs eróticos, Milo Manara, conhecido por retratar as mais belas mulheres em quadrinhos e autor de séries famosas em todo o mundo.

No primeiro livro - Sangue para o Papa, mostra a morte de Inocêncio VIII, em 1492, e os novos ares daRenascença deram a chance para que Rodrigo Bórgia pudesse utilizar seus métodos pouco ortodoxos para tomar posse do Vaticano. O conclave é um dos momentos em que ele compra e chantageia os cardeais e suas respectivas dissidências religiosas.

"Ajude-me a obter a tiara de papa, e os 100 burricos, com seu ouro, prata e pedras preciosas serão teus...", propõe Rodrigo Bórgia a Ascânio Sforza, forte candidato ao papado.

Contudo, a venda de indulgências, o nepotismo, a promiscuidade e a ganância pelo poder político eram características de todos os clérigos daquele tempo. Essa combinação fazia do Vaticano um lugar que podia ser chamado de tudo, menos de santo. Alexandre VI é lembrado como a ovelha negra da igreja mas tornou-se o papa mais memorável do Renascimento, tendo permanecido na direção da igreja católica entre 1492 e 1503.

Lucrécia e César Bórgia (filhos de Rodrigo) também deixaram suas marcas na história, sempre em meio a escândalos, orgias e negócios escusos. César foi imortalizado por Maquiavel em sua obra-prima O Príncipe. Lucrécia Bórgia foi exaustivamente utilizada como moeda de troca na política da família. Ficou conhecida como "o veneno dos Bórgia". A santíssima trindade de Lucrécia e de sua família tinha outros elementos: o ouro, o poder e a luxúria.


BÓRGIA LIVRO II


No livro II, O Poder e o Incesto, retrata uma Igreja impensável nos dias de hoje. Venda de indulgências, nepotismo, promiscuidade e ganância: por tudo isso Alexandre VI é lembrado como a ovelha negra daIgreja. O nome Alexandre nunca mais foi usado por ninguém na direção da Igreja Católica. A Máfia dosBórgia transformou Roma em uma cidade sem fé nem lei. Para conquistar a simpatia popular e restabelecer o poder da Igreja, o novo Papa não poupava a vida de inocentes. Alexandre VI contava com os conselhos de Maquiavel e com seus filhos César, imortalizado pelo mesmo Maquiavel em O Príncipe, e Lucrécia, uma linda mulher conhecida como "O Veneno dos Bórgia". Um clássico das HQs Européias retratada pelo traço de Milo Manara, mestre das histórias em quadrinhos eróticas, e com roteiro de Alejandro Jodorowsky, um dos principais roteiristas do cinema e HQs.